A INICIAÇÃO DAS CRIANÇAS NAS ARTES MARCIAIS

Publicado por Ruy Erize em

A INICIAÇÃO DAS CRIANÇAS NAS ARTES MARCIAIS

Ruysdael Erize 

O treinamento lúdico das crianças, para o desenvolvimento motor e cognitivo, para aplicações das técnicas das artes marciais. As brincadeiras específicas ajudam na iniciação das técnicas, o posicionamento dos pés, do giro rápido do quadril, a mudança dos pés, abaixar e levantar  rápidos. Todas as brincadeiras têm uma aplicabilidade na modalidade na luta ou arte marcial que escolheu. É utilizado em todos os estilos que sejam em pé ( karatê, ninjutsu, sanda, savate, muay thai…) ou no solo (judô, jiu jitsu, luta livre, ninjutsu, sambo….). 

Os pais normalmente não sabem em que estilos de lutas colocar os filhos.

Colocam na academia que está mais próxima de casa, ou indicação de amigos. Às vezes as crianças querem treinar um estilo específico, exemplo como Ninjutsu, os pais não sabem como é o treinamento, tem base apenas em filmes e na mídia,sendo assim não vão colocar ou criará uma resistência ,pois na mídia divulga técnicas violentas ou como um personagem do mal. O que a maioria dos pais não sabem, que é universal a iniciação das crianças, tudo vai ser lúdico. 

Se colocar a criança na capoeira, no judô, Nin jutsu, karate,  as atividades lúdicas serão iguais, podem haver algumas interpretações diferentes de algumas brincadeiras ou jogos. 

Em uma academia com profissionais qualificados saberá coordenar e qualificar quais as brincadeiras e jogos para cada faixa etária das crianças. 

As crianças de 04 a 06 anos, fase I, vivem no mundo simbólico e as aulas devem respeitar esta característica. O mundo infantil é da imaginação, do faz de conta. Se utilizarmos jogos dramáticos, sessões historiadas e brincadeiras cantadas vão ter uma absorção melhor destes conteúdos. 

Entre 07 a 09 anos, fase II, a criança está mais madura para a compreensão de regras e movimentos mais complexos como pular conjugado com rolar, com giro, com chutar, entre outros movimentos. É quando a criança compreende melhor as regras de convivência, assim como as regras das atividades propostas. As atividades lúdicas serão mais elaboradas  nos jogos e nas brincadeiras. 

As crianças de 10 a 12 anos, fase III, é o auge das capacidades perceptivas. Devemos usar as brincadeiras mais elaboradas com conteúdos das lutas e artes marciais. As brincadeiras, estafetas, piques, mini jogos e grandes jogos  são adaptados às artes marciais e lutas, tornando as aulas mais atrativas, prazerosas. 

As etapas IV e V são as fases dos adolescentes.  As aulas são com estratégias lúdicas, muito bem elaboradas e conjugadas com as técnicas. Já que o adolescente tenta se afastar do imaginário infantil, porém não quer a responsabilidade de um adulto. Tem que equilibrar os dois aspectos: ludicidade e técnicas, para a brincadeira não ser inocente e o treino não seja pesado.  

A formação da base, ensino infantil, é de extrema importância, não apenas para o desenvolvimento nas lutas, mas principalmente na formação do indivíduo em toda sua capacidade e complexidade, arte marcial. 

Hoje em dia, não sei se é por causa dos eletrônicos celular e mini game portátil, tem muitos adultos que se divertem mais do que algumas crianças nas atividades lúdicas. Os pais não tiveram acesso aos eletrônicos, na maioria é tudo novidades. 

Esta é a preocupação dos pais, em fazer com que os filhos se afastem  por um tempo dos eletrônicos. 

  

 

Referências: 

http://portaldovaletudo.uol.com.br/artigo-como-ensinar-lutas-e-artes-marciais-para-criancas/ 

 Rodrigues, Rodrigo da Conceição. Iniciação ao esporte de combate. Brasília-DF.

  

 

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *